domingo, 28 de novembro de 2010

DESBIOGRAFIAS

Bernardo morava de luxúria com a sua lesma.
Não era fácil ficar a seu lado sem receber algum contexto de lesma.
Nossa linguagem não tinha função explicativa - mas só brincativa.
Tipo assim: eu vi uma pedra emocionada de borboletas.
Ou tipo assim: A gente viu a tarde pousada na beira do rio com as suas rosadas pernas.
Era um gosto maior para nós apreciar as pernas rosadas da tarde!
A gente queria com as nossas visões afastar do bom senso o que fosse racional.
E cair no absurdo que faz a beleza da poesia: Tipo assim: Nós vimos um sapo ajoelhado
no próprio abandono - isso dava melhor expressão ao abandono. 
E ao sapo.
Porque a gente achava que no abandono a palavra faz fruto. 
De noite o deserto era um lugar em nós.

Manoel de Barros

Nenhum comentário:

Postar um comentário